segunda-feira, 8 de março de 2010

Conversa entre pais e filhos


Nós pais temos a propensão à pieguice nas conversas com os nossos filhos. Temos o cacoete da repetição e sabemos que eles abominam essa nossa mania de explicar o que já está explicado. Mas não nos envergonhamos, nem nos deixamos inibir ao fazê-lo, por sabermos da valia e das causas que nos motivam.

Queremos ver os nossos filhos preparados para enfrentar a vida, fora do limite da nossa casa. Por isso fazemos dos momentos em família instantes de aprendizado para conviverem com o mundo além residência: na escola, na universidade, no trabalho, na condução da sua vida como cidadãos. Para sermos sinceros, queremos mesmo é ver os nossos meninos de hoje, homens e mulheres vencedores. E por isto, ensinamo-los a se comportarem como tal em cada um dos lócus sociais por onde passam até alcançarem a maturidade.

Temos medo que os nossos filhos sejam distinguidos negativamente por quaisquer razões; por isso esforçamo-nos para que eles sejam educados. Na infância, não nos cansamos de lembrá-los para que não esqueçam as palavras mágicas da vida em sociedade: Bom dia! Boa tarde! Boa noite! Com licença! Por favor! Muito obrigado/a! E por aí vai...

Depois que os lembramos pela terceira vez, eles começam a nos lembrar também. “Sei, pai/mãe, já sei... bom dia, boa tarde, por favor, muito obrigada/o... o/a senhor/a já me falou isto um milhão de vezes”.

Quando adolescentes sempre nos preocupamos com os impulsos e a energia próprios desta fase. Aí o discurso muda. Ao saírem de casa sempre os lembramos: cuidado, se comportem, não se metam em confusão. Se vão para uma festa que terá comes e bebes: coma bem, mas com educação, seja elegante com as pessoas, não consuma bebida alcoólica, ou não abuse do álcool, beba socialmente, não esqueça a hora de voltar para casa, hein?...

Nas conversas sobre os relacionamentos e os debates nas disputas escolares tenham cuidado com as palavras. Se mal dirigidas ou escolhidas em hora imprópria, são capazes de criar mágoas inapagáveis. Se bem e educadamente colocadas poderão render frutos maravilhosos, respeito, admiração e amizades leais, sinceras, duradouras.

Ah, não se esqueçam de zelar pelas amizades, elas nos são caras, imprescindíveis, merecedoras da nossa grata atenção. E por falar em atenção, não esqueçam que esta, nos tempos hodiernos, é produto de elevada e primeiríssima necessidade no nosso convívio social. Lembre-se, se é produto socialmente imprescindível, não devemos negá-la a ninguém. Lembre-se, a ninguém.

Com cinco minutos de atenção você pode gerar uma alegria, ou uma amizade para a vida inteira. À guisa de ilustração, veja o elevado número de pessoas que, não contando com a devida atenção familiar, paga caro para dedicar preciosas horas de suas vidas aos divãs de psicólogos, psiquiatras, analistas, terapeutas. Outras, de sorte menor, passam boa parte de suas vidas nas prisões.

O conflito, a diferença de idéias, a divergência nesta ou naquela matéria, são próprios da vida em sociedade. Entretanto, o conflito social é evento que manifesta a necessidade de buscarmos a atenção para algum fato, a resolução para problemas manifestos ou tácitos, que existem no meio social, seja este a família, um grupo social, a cidade, o estado, o país. Conflitos solicitam e merecem atenção e cuidado. Devem ser tratados cuidadosamente, estudados em detalhe, para que seja possível o encaminhamento de resolução satisfatória.

Não devemos esquecer, porém, que as negociações de alternativas para resolução de conflitos requerem soluções que satisfaçam as partes envolvidas. Isto não significa que devem resultar num quadro marcado pelos binômios vencedor/vencido, ganhador/perdedor, vitorioso/fracassado. Esse tipo de resolução, muito comum em tempos passados, enseja novos conflitos entre as partes, no futuro. Se assim é, não resolve. Entretanto, se as partes se sentirem satisfeitas com o encaminhamento dado, se o resultado das negociações for um quadro onde as partes envolvidas se sintam, simultaneamente, vencedoras, provavelmente estas se respeitarão mais, estarão livres de entreveros da mesma estirpe no futuro e, o que é melhor, se sentirão à vontade para a busca de diálogo se isto for necessário no porvir.

Conflito social enseja disputa entre entes sociais individual ou coletivamente. Adversários não são necessariamente inimigos. Aqueles são pessoas ou grupos sociais que ocupam posições distintas, ou contrárias, eventualmente marcadas pela decorrência de inserção profissional, crença, ideologia, e/ou pela diferença de concepção sobre um ponto de vista qualquer. Isto é próprio, por exemplo, do meio acadêmico, onde cientistas de todos os ramos e naipes estão, a todo instante, aprofundando conhecimentos, criando novos paradigmas, desnaturalizando concepções ou fatos que o senso comum trata como inquestionáveis, desestruturando conceito antes utilizado como verdade absoluta, criando novos conhecimentos. Aqui o conflito de idéias, se bem conduzido, ficará só nas idéias; não transbordará para o pessoal. É comum, neste caso, os adversários buscarem aprofundar conhecimentos sobre as ideias defendidas por seus rivais, para que possam criticá-los com mais substância. Pode acontecer também, que o conhecimento mais denso sobre o pensamento do seu antagonista o leve a reconhecer que nele nem tudo é desprezível e, a partir de então, inteligentemente, o estudioso poderá até engendrar novos conhecimentos.

Mas, não nos iludamos, quando mesmo o debate acadêmico não é feito com base no respeito mútuo; quando não se pauta no aprofundamento de idéias bem concebidas e estudadas, quando a humildade científica sede lugar a arrogância e à vaidade dos títulos; quando a objetividade ou a relatividade científica é invocada para mascarar interesses pessoais nada nobres, provavelmente os projéteis lançados na direção das opiniões adversárias acabarão atingindo de ricochete as pessoas, e aí o que foi conflito de ideias passará a ser intriga pessoal, lamentavelmente. Por isso, todo cuidado é pouco na condução de qualquer tipo de debate.

As diferenças devem ser respeitadas e, além de tudo, observadas. É necessário aprendermos a conviver com as diferenças pela importância que elas têm nas nossas vidas. Somos todos diferentes, cada um de nós possui especificidades ímpares que marcam o nosso DNA seja do ponto de vista biológico ou social. Por isso, atentem que nos confrontos coletivos, nos quais os grupos debatem entre si, embora cada grupo comporte uma unidade, um ponto de convergência, uma plataforma de luta, uma carta de princípios, um regimento interno, ou um estatuto que o leva a se manifestar como um coletivo, creia, ele traz em si uma diversidade de pensamento, de forma de agir e se manifestar própria dos seus partícipes.

No debate, ou mesmo no confronto entre os grupos, as lideranças devem conhecer os seus adversários. Seus pontos fortes e suas debilidades, os seus pontos de convergências e as posições de divergências, em quais pontos podem transigir, os pontos que são inegociáveis, o modo como se comportam cada um dos componentes do grupo adversário e a importância de cada um intrinsecamente. Estas informações se bem utilizadas no âmbito da negociação poderão lhes render frutos valiosos.

Bem, quem disse que essa é conversa para um ato só? Continuaremos conversando num outro momento. E lembrem-se, começaremos falando a partir do ponto que encerramos este primeiro papo.
Obrigado por comentar.
Postar um comentário