terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Crônicas das pedaladas 2



O ciclismo nos ensina muitas coisas. Primeiro, pedalar na estrada é coisa séria e exige planejamento. Ninguém deve pegar a estrada só por que comprou uma bicicleta speed ou montain bike, por exemplo. Da mesma forma, não é necessariamente preciso praticar ciclismo com bicicletas caras.
Ainda sou um ciclista incipiente, mas a prática me ensinou que para praticar o ciclismo precisamos tomar alguns cuidados.
Segundo, antes de ir para a estrada, é necessário conhecer as suas limitações como um iniciante e procurar ler, se informar sobre a modalidade que você deseja praticar. A internet tem muitas informações e ter consciência do está fazendo é muito importante. Vou dar um exemplo, do que aconteceu comigo. Antes de começar a pedalar, eu andava na estrada de Pindaré (na verdade, estrada Santa Inês/Pindaré) e já estava caminhando 16 Km, ou seja, ida e volta, Santa Inês/Pindaré/Santa Inês. Quando resolvi pedalar, peguei a bicicleta e me mandei para Pindaré, quando cheguei perto da metade da viagem já estava morto de cansado, não tinha condicionamento físico para pedalar essa distância.
É necessário criar condicionamento físico e a bicicleta ajuda muito nisso. Basta percorrer pequenas distâncias e ir aumentando o percurso progressivamente, sem ânsia, sem pressa e, quando percebemos já estamos no nível que pretendíamos. Creio que um ciclo computador pode ajudar muito, pois este possibilita vermos a distância percorrida e o tempo gasto, a velocidade máxima, a velocidade média, a quantidade de calorias gasta, entre outras informações.
Terceiro, todo cuidado é pouco, aqui no interior do Maranhão não temos ciclovias e, se não estivermos em grupo, somos obrigados a usar o acostamento como ciclovia e, de modo geral, os acostamentos não têm a condição adequada para o desempenho do ciclismo de estrada. Algumas estradas não têm qualquer acostamento. O ciclista sai do asfalto e cai na areia solta, num acostamento cheio de buracos, ou mesmo no cascalho solto, dependendo da velocidade e da habilidade do ciclista, essa mudança pode acarretar quedas e sérios danos à bicicleta e aos equipamentos.
Pedalar nos permite um aprendizado constante e progressivo. A interação ciclista/bicicleta é fantástica. A cada dia que você pedala, vai percebendo melhor o equipamento que você tem e vai aproveitando melhor os recursos que ele te disponibiliza, assim como as suas limitações. Isso permite ao ciclista interagir da forma mais adequada com o ambiente – aclive, declive e a superfície plana, lhe permite aproveitar melhor da sua energia, menor desgaste físico, entre outras vantagens. É prescindível avisar da necessidade do conhecimento da legislação brasileira do trânsito, à medida que o ciclista tem obrigações semelhantes ao condutor de veículos automotores. Uma vez cônscio das suas obrigações, direitos e das condições logísticas disponíveis, resta-nos desejá-los sucesso.
 

Obrigado por comentar.
Postar um comentário