terça-feira, 10 de abril de 2012

Lágrimas



Ó Deus, se molho os Vossos pés
Com as minhas lágrimas
As gotas que escorrem pelo chão
São fraquezas que em meu interior guardei

Como um rochedo a conter as águas
Eu fiz-me fortaleza a conter mágoas,
Das injustiças pelas quais passei (E ainda passo, Ó meu Senhor!),
Sofri, mas soube até aqui conter meus prantos

Para não Te trazer meus sofrimentos,
Ao invés de agradecer-Te pelo pão e a água,
Que mata a minha sede e me limpa

Da imundice que no mundo grassa
E emana da ganância e da corrupção
Confesso que ver meu povo a morrer às mínguas
Sem teto, sem saúde e nas filas

Me deixa em desconserto e a sofrer
Ó Deus, lave com as minhas lágrimas o mundo mal
Para que a gente então possa viver
Livre do preconceito racial

Obrigado por comentar.
Postar um comentário